120 | A revolta das carapuças, relaxa que dói menos

Antes de começar esse editorial eu tenho que lhe dizer algo muito importante como se fosse uma breve introdução: Eu vivo o que eu prego, tudo o que escrevo neste Blog são experiências que eu vivi, ou que eu ouvi de fontes confiáveis, os textos são frutos de anos de trabalho, experiências adquiridas com Deus no caminho do Senhor e também são frutos de anos de aconselhamentos. Eu não uso a palavra de Deus para mandar ‘indiretas’ a quem quer que seja, por três razões bem definidas: Eu não sou covarde, eu não uso o nome de Deus em vão (usar Deus para atingir alvos é escarnecer da Palavra de Deus e Ele não tolera esse tipo de comportamento), eu vivo o que eu prego por que eu acredito no que eu falo, quando algo me incomoda ou no qual eu não tenho liberdade e autoridade para falar, simples, eu nem toco no assunto, quer um exemplo? Pedofilia, eu evito dizer o que eu penso à esse respeito pois se eu falar o que eu acho, vai escandalizar os ‘puritanos de plantão’ e os ‘fariseus dos tempos modernos’. Ficou curioso com o que eu disse? Então só uma dica para aguçar a sua curiosidade sobre o que eu penso a respeito de pedófilos: Eu não tenho pena e nem misericórdia deles e pedófilo ‘bom’ ou pedófilo ‘convertido’ é pedófilo morto. Fui claro? ‘Conseguiu capitar a mensagem, amado mestre?’. E para concluir, eu não mando indiretas, as mensagens que prego ou escrevo são mensagens de Deus.

Já que eu fiz a introdução que esclarece a minha postura, vamos ao assunto de agora pela manhã, às 06h37 desta Terça-Feira, 30 de Janeiro de 2018.

Desde de que eu estreei o Blog Pare, Pense e Reflita, ontem foi o dia de maior acesso por causa de um só texto: ‘Todo mentiroso é filhote de Satanás. Prefiro viver no deserto do que ao lado do Pinóquio‘. Se você ainda não leu, clique AQUI.

Foram acessos de várias capitais e cidades brasileiras e mais de 7 países da Europa (não houve acessos de nenhum país da América do Sul, com exceção do Brasil).

Eu ‘acho’ (perceba a ironia), eu apenas ‘acho’, que ele ‘atingiu’ em cheio os personagens que foram citados no texto, mesmo que eu não tenha pensado em qualquer pessoa específica no momento em que eu criava a narrativa, ou seja, não foi um recado, não foi uma indireta e nem tão pouco foi um texto que nasceu da minha cabeça ou do meu coração, ele veio de Deus, inspirado por Deus e eu senti uma forte influência do Altíssimo quando estava produzindo o texto. O texto foi um recado claro da parte de Deus.

Todos os meus textos, TODOS, eu mostro para a minha esposa e antes de publicar eu peço a opinião dela, pois ela é a minha ‘manager’ e conselheira mais próxima. E também por que eu a respeito como parceira de ministério e por que eu tenho medo de apanhar se eu não mostrar antes.

Na introdução eu já expliquei os motivos por que não uso a Palavra de Deus para enviar os meus recados, aliás, eu tenho caráter suficiente, coragem e ‘peito’ para dizer o que eu penso ‘cara a cara’ sem precisar mandar recados ou indiretas. Eu não sou covarde. Já disse para um bandido que eu não o suportava, e só estavam ele e eu numa sala, ele armado de pistola e eu ‘armado’ com uma escova de dentes, vou ter medo de alguma coisa e de falar ‘cara a cara’ o que eu penso?

Por isso muito me espantou as duas horas da madrugada acordar com notificações de mensagens na minha caixa de e-mail e até no ‘Direct’ do Instagram com ‘recados’, ‘desabafos’ e toda a sorte de impropérios sobre o texto acerca dos mentirosos. Até ironias eu recebi como ‘presentes’. A minha mãe foi muito ‘elogiada’ e enviada para tomar água de coco à beira-mar.

Em 25 anos de ‘carreira’ jamais houve tantas reações tão desmedidas, raivosas, ruidosas, animalescas, carregadas de ódio, ameaçadoras (nossa que medoooooooo…rssss) e acusadoras como as que eu recebi nessa madrugada.

E todas, vou repetir TODAS vieram de pessoas que eu conheço pessoalmente e que conheço as suas famílias e histórias de vida (de fracassos à sucessos, de prosperidades à falências, de pobres à ricos, de solteiros à casados e com amantes), MESMO ASSIM, o texto não foi um recado ou uma indireta para qualquer pessoa, digo e repito que não foi um recado, não foi uma indireta e nem tão pouco foi um texto que nasceu da minha cabeça ou do meu coração, ele veio de Deus, inspirado por Deus e eu senti uma forte influência do Altíssimo quando estava produzindo o texto. O texto foi um recado claro da parte de Deus.

Como disse para um amigo que me acompanha a quase 20 anos: ‘Eu tenho a certeza absoluta que foi um texto inspirado por Deus‘, pois até os mais ‘dóceis’ se revoltaram, até os mais ‘educados’ desceram do ‘salto’, e todos os que me enviaram mensagens de acusações, diretas ou indiretas, claras ou veladas, com ou sem ironia, foram aqueles que se reconheceram no texto: são todos aqueles que vestiram uma carapuça que não mandei vestir, usaram por que quiseram e se eles sentiram-se atingidos ao reconhecerem-se no texto, não é problema meu e nem culpa minha, vá reclamar com o autor da fonte de inspiração do texto. Ele mora em um andar superior, caso você não o conheça e caso você não saiba quem Ele é.

Se eu não sou um mentiroso que foi ‘exposto’ em um texto, mesmo aqueles que são  expostos em exortações da parte de Deus, a leitura de uma exortação vai me edificar e nada mais do que isso, mas quando eu me reconheço e vejo a minha vida e as minhas posturas nas exortações que confrontam o pecado, eu tenho dois caminhos a seguir: Ou  ele vai me edificar e não vai me atingir pois eu sou inocente, ou vai me atingir e vou entrar em desespero pois eu sou culpado. Foi isso o que aconteceu com várias pessoas que me enviaram mensagens: se reconheceram no texto e entraram em desespero.

Mas calma meu irmão e minha irmã, Deus tem a cura para a sua vida, e está te dando a oportunidade de você mudar e deixar de ser um mentiroso ou uma mentirosa, não precisa entrar em desespero e nem vestir a carapuça. Mas sem vestiu, relaxa que dói menos. Mude a sua vida, é simples assim.

Vestir a carapuça é assumir a culpa; sentir-se atingido por alusão ou algum comentário. Essa expressão é proveniente do período da Inquisição onde os condenados eram obrigados a vestir uma carapuça antes de suas execuções. Acabou sendo incorporada ao português com o sentido de assumir a culpa, pois os culpados que a vestiam.

Fique muito ‘espantado’ não pelas palavras ‘carinhosas’ que foram dirigidas a mim, pois  como eu já disse eu estou acostumado com elas à mais de 25 anos (Um dia eu te conto em detalhes o dia que eu estava andando no centro de Belford Roxo no Rio de Janeiro, indo pregar em uma Igreja Batista e um homem possesso de espíritos imundos parou na minha frente e disse assim: Eu e o meu pai te odiamos). Então significa que eu estou acostumado a ouvir impropérios, ameças e desesperos de pecadores que se reconhecem como condenados, o que me deixou espantado, foi as ‘fontes’ e as ‘origens’ desses desesperos, vieram de pessoas que eu jamais poderia imaginar que estariam vivendo como condenados ao Inferno e tão pouco eu imaginava que elas faziam parte do time do Pinóquio.

Mas a minha oração sincera, genuína e honesta é que todos arrependam-se e encontrem verdadeiramente o Senhor, espero que todos possam arrepender-se e mudaram de rumo, como eu fiz no passado, e possam viver dignamente o Evangelho e possam ter um encontro genuíno com o Senhor, pois se depender de mim, eu não vou parar de pregar, exortar e transmitir os recados de DEUS, pois se eu calar até as pedras clamarão (Lucas 19:40) e ‘eu de nenhuma destas coisas usei, e não escrevi isto para que assim se faça comigo; porque melhor me fora morrer, do que alguém fazer vã esta minha glória. Porque, se anuncio o evangelho, não tenho de que me gloriar, pois me é imposta essa obrigação; e ai de mim, se não anunciar o evangelho’ 1 Coríntios 9:15,16.

Léo Vilhena
Falando a verdade e escrevendo o que Deus manda escrever

Anúncios