070 | As piadas não são compreendidas por quatro grupos

Eu sei que após a publicação desse texto ele vai pegar a estrada com a ‘potente’ motinha Biz 125 cilindradas que ele chama  de ‘Kawasaki’, e vai querer vir de São Paulo ao pantanal para me fuzilar, mas prefiro correr o risco e escrever esse editorial.

Com todo o meu coração escrevi um texto sobre amizades – se ainda não leu, clique AQUI – e um dos personagens citados naquele texto, agora cedo me deu ‘bom dia’ mas perguntou: ‘Chumbo Grosso?’

Espantado e rindo muito, deixei o aconchego da minha cama quentinha e gostosa, para vir ao escritório, ainda em uma grave crise de risos, escrever esse texto, correndo o enorme risco de ser o último texto da minha vida (já expliquei o por que dessa afirmação), mas prefiro correr o risco.

Esse senhor Anísio, vulgarmente conhecido como ‘Piu ou Zangado‘, personagem dos Sete Anões, tem a sorte de ter a minha preciosa (kkk) amizade há mais de 15 anos, e apesar de eu ter dias de TPM (é sério que eu tenho) ele já sabe que 90% do dia eu estou rindo, brincando e encarnando nos amigos.

Por isso MUITO (coloquei em caixa alta para externar o meu completo espanto) me surpreendeu essa figura ‘jurásiquianamatusalesca’ (ele não revela a idade) me enviar as 06h da manhã (eu estava dormindo) uma pergunta que me fez rir:  ‘Chumbo Grosso?’

No texto anterior eu disse que estava sem inspiração para escrever sobre o Anísio e há três semanas eu tentava escrever e apagava mas para a minha sorte, esse meu aluno de Baixo (queria ver a cara dele nessa hora) me deu de mão beijada a ‘fonte de inspiração’.

Ele é o cara mais honesto, chato, sincero, músico extraordinário, excelente pai, marido de uma só mulher, cristão convicto e inteligente que eu conheço, além do que é o meu ‘Personal TI’ pois entende TUDO de internet e sistemas de programação. Amigo que não abandona os amigos, incapaz de ouvir um desabafo e espalhar para a torcida do São Paulo (apesar de serem meia dúzia e caberem num fusquinha), enfim, o maior exemplo de dignidade entre os homens que se chamam de AMIGOS.

Mas apesar de todas essas características, e apesar de me conhecer desde os tempos primórdios da Arca de Noé, ele me faz a seguinte pergunta ridícula:  ‘Chumbo Grosso?’

Isso me fez pensar que ‘as piadas não são compreendidas por quatro grupos‘ de pessoas, e eu estou tentando classificar o ‘zangado’ em alguma delas e não estou conseguindo.

1º grupo – Os jumentos: Ele definitivamente está fora desse grupo pois ele não é burro, muito pelo contrário, quando me dizem assim ‘Léo você é muito inteligente‘ eu sempre respondo com uma frase feita ‘É porque você não conhece o meu amigo Piu‘, pois ele é assim, extremamente inteligente;

2º grupo – Os mentalmente doentes: Ele também não está nesse grupo pois seria uma contradição ele pertencer a esse grupo, com toda a análise que eu fiz dele no grupo anterior, por isso ele está fora desse grupo;

3º grupo – Os que tem o cérebro do tamanho de uma ervilha: Pelo mesmo motivo e razão do grupo anterior, ele está fora desse aqui também;

4º grupo – Os idiotas: Nem cacoete para idiota o Juninho tem, então definitivamente ele está fora desse grupo aqui também.

Então fiquei pensando com os meus botões: ‘Meu pai, em que grupo o Anísio pertence?’

Depois de horas confabulando com os meus companheiros de jornadas, Tico e Teco, cheguei a seguinte conclusão lógica: O Anísio é um ser ilógico, inclassificável e imponderavelmente amigo dos amigos, alguém que amo de verdade (lembra o que o Carlinhos Félix do Rebanhão falou sobre ‘amar com amor?’) e por quem eu daria a própria vida. Amo muito mais do que ele possa imaginar.

Mas lembram daquele ditado: Perco o Amigo mas não perco a piada? Por isso decidi escrever esse texto, respondida a sua pergunta, seu filhote de anão?  ‘Chumbo Grosso?’

Léo Vilhena
‘Estou quase ligando para o SAMU pois não consigo parar de rir’

Foto de Capa: Anísio Júnior fazendo o que mais gosta e sabe, ministrando na casa do Pai.

 

Anúncios