064 | Seja bem-vindo à vagabundagem, mediocridade, fofocas e a falta de respeito

Se eu disser para você que eu vou ficar em casa vários dias sem fazer nada da vida e deixar o trabalho de lado mesmo tendo contas para pagar e filhos para sustentar (sem falar nos colaboradores – funcionários – à pagar), essa atitude vai esbarrar no substantivo feminino, vagabundagem.

Vagabundagem, por definição, é o ato de viver sem um objetivo definido.

Se eu disser para você que eu tenho esposa e seis filhos, mas mesmo assim, quero passar os próximos dois meses tomando banho de piscina e às favas com o trabalho (trabalhar para que se posso ganhar sem produzir?), essa atitude vai esbarrar no substantivo feminino, vagabundagem e mediocridade por levar uma vida assim.

Mediocridade, por definição, é uma posição mediana, entre a opulência e a pobreza, aquilo que não tem valor.

Se eu disser para você que eu vou passar os próximos 60 dias fazendo intrigas, conchavos e fofocas com todos que estão à minha volta, essas atitudes vão esbarrar no substantivo feminino vagabundagem, acrescidos de mediocridade e falta de caráter, pois todo fofoqueiro não tem caráter.

Fofoqueiro, por definição, é aquele que se intromete em assuntos alheios, que não lhe diz respeito.

Se eu disser para você que eu vou transar com a minha esposa e vou chamar algumas pessoas para verem a nossa performance, eu tenho certeza que vou ganhar um olho roxo pois a ‘madame’ não vai me perdoar, corro o risco de ganhar os papéis do divórcio e essa atitude vai externar que além de vagabundo, medíocre e fofoqueiro, eu não tenho respeito pela minha esposa, filhos, família e nenhum respeito pela sociedade que é composta por pessoas liberais, mas também é formada por pessoas conservadoras que ainda mantém intacto o respeito e apreço pela família e por valores tão esquecidos ou denegridos nos dias de hoje. Diria que deixados e abandonados de lado.

Viver sem um objetivo definido, tomar atitudes que não carregam em si valores morais, viver me metendo em assuntos que não me dizem respeito e negar o respeito à minha família, são posicionamentos de um ser insignificante que não merece nem respirar o puro ar desse universo, pois sua dignidade está abaixo de zero, e ele não tem nem mesmo um valor que seja comparado aos materiais fecais das lesmas e sanguessugas.

Em momento algum desse texto você me viu falar de questões religiosas, não tem nada haver com religião, meu nojo, repulsa e indignação com o BBB tem haver com questões de caráter.

Vai começar o Big Brother Brasil: Seja bem-vindo à vagabundagem, mediocridade, fofocas e a falta de respeito com à família e à sociedade!

Léo Vilhena
‘Tem horas que dá vergonha de ser Brasileiro’

Anúncios

Um comentário

Os comentários estão fechados.