037 | O dia em que um ônibus não parou e eu não sabia que Deus estava me livrando da morte

Minha esposa me disse hoje assim: ‘Amor, quem não te conhece vai achar que essas histórias são estórias‘ e demos muitas gargalhadas. Por que eu já cansei de falar que não ligo para a opinião e julgamentos das pessoas – Clique Aqui. Leia o meu editorial sobre julgamentos.

Então se esta é a sua primeira ‘parada’ aqui em nosso blog, deixa eu te contar uma coisa:

  • Não tenho chamado para pinóquio
  • Não sou Forrest Gump (contador de estórias)
  • Não sou escritor de fábulas
  • Não tenho chamado para ser pilantra e falso
  • E não sou mentiroso pois ODEIO mentiras e fico furioso com mentirosos

Tudo o que você lê aqui em nosso blog, por mais surreal que possa parecer, TUDO É REAL, SINCERO, HONESTO E VERDADEIRO. E digo isso baseado em três princípios:

  • O que eu conto foram experiências com o Senhor e se houvesse alguma adulteração ou invenção de histórias, que caiam sobre mim e a minha geração os flagelos que estão em Apocalipse, pois com a Palavra de Deus não se brinca e eu não escarneço, por isso estou tranquilo que eu e minha geração NUNCA veremos esse flagelos
  • A palavra do cristão é Sim e Não, o que disso passar vem do maligno e eu não tenho nenhuma comunhão com o ‘coisa-ruim’, sou de Deus, com Deus e para Deus
  • De Deus não se escarnece e não se zomba, você acha mesmo que eu estaria aqui te contando experiências e usando o nome de Deus se não fosse verdade, e ainda estaria vivo e respirando? Tolinho… Sabe por que estou vivo e respirando? Pois tudo aqui em nosso blog reflete as situações literalmente como elas aconteceram.

Jamais usaria o nome de Deus em vão ou contaria historias e situações para te impressionar.

Eu sou uma testemunha que viveu grandes experiências com o Senhor, e oxalá se eu pudesse continuar a minha jornada… Como todos sabem eu me recupero de um AVC e Enfarto que me deixaram impossibilitados de continuar a minha história.

Então eu vou te contar o dia em que um ônibus não parou e eu não sabia que Deus estava me livrando da morte.

Eu me converti na Igreja Congregacional de Maricá, no Rio de Janeiro, e apesar de ter nascido em uma lar evangélico eu só fui ter um real encontro com Deus 17 anos após o meu nascimento, e por este motivo, aquela igreja (Foto abaixo retirada do Google Maps) tornou-se ímpar em minha vida

marica 2
Igreja Congregacional em Maricá

Preguei em Maricá por diversas vezes e perdi as contas de quantas viagens eu fiz do Rio ao interior, pois Maricá fica no interior do Rio de Janeiro. E naquela época eu ainda não tinha carro. Isso foi em 1989 ou 1990, não me recordo muito bem.

Um dia, eu acabei de pregar num domingo a noite e resolvi naquela mesma noite voltar para o Rio. Mesmo que eu chegasse de madrugada em casa, optei por retornar ao Rio pois queria dormir em casa pois na segunda-feira bem cedo eu tinha que ir a Nova Iguaçu (lados opostos do Estado do Rio).

Mas eu não quis ir até a Rodoviária de Maricá, que naquela época era bem longe da igreja, e um irmão me deu carona e me deixou na entrada da cidade, na beira da estrada, por onde passaria o ônibus da viação Nossa Senhora do Amparo (esse e o nome da companhia).

onibus
Ônibus que faz o trajeto Rio x Maricá

Pouco tempo depois o ônibus surgiu na entrada da cidade, fiz sinal para embarcar e ele… não parou e foi embora. Isso já era mais ou menos umas 22 horas.

O sangue ferveu e a foto de capa deste editorial é a demonstração (10%) de como eu fiquei. Na hora o velho homem e o repertório de maldades em palavras quase que elas explodem em minha boca. Eu fiquei furioso.

Mas eu pensei comigo: Vá em paz. Como eu reagi assim tão fleumaticamente? Nem eu sei como eu me controlei.

Esses ônibus de viagens entre Maricá e o Rio, naquela época, tinham entre si um intervalo de 1 hora e eu já ‘sabia’ que o próximo somente as 23 horas.

Mas quando eu olho para a estrada, milagrosamente, veio outro ônibus em direção ao Rio no máximo uns 10 minutos depois. Era um milagre.

Embarquei, sentei na poltrona e coloquei os meus fones de ouvido e viajei em paz.

Um pouco mais a frente o ônibus reduziu a velocidade e os passageiros que estavam à minha frente começaram a levantar-se de suas poltronas horrorizados. Olhei e fiquei em estado de choque.

Aquele ônibus que não parou para mim, capotou na estrada (era a BR 106) e havia muitos corpos estendidos pela estrada e outros entre os ferros retorcidos daquele que um dia foi um ônibus. Devia haver uns 10 corpos.

Eu entendi que Deus estava me livrando da morte naquela noite e comecei a pedir perdão a Deus por ter sido imaturo em reclamar daquilo que eu veria como um livramento de Deus.

E os que morreram? Eu não tenho explicação, pois não cometerei uma presunção de um juízo, mas o que eu sei é que Deus me livrou.

Léo Vilhena
‘Fiel é Deus, o qual os chamou à comunhão com seu Filho Jesus Cristo, nosso Senhor’
1 Coríntios 1:9

maricá
Estrada onde aconteceu o acidente

 

 

 

Anúncios