Dona de casa tem uma rotina mais desgastante do que 99% dos trabalhos maxistas

Eu estava tomando café da manhã com a minha esposa (a mulher mais linda desse mundo, mas também genial e geniosa, mas por quem sou muito apaixonado), quando terminamos a refeição, oramos consagrando o nosso dia a Deus, nos despedimos e cada um seguiu para a sua rotina. Isso foi a mais ou menos 1 hora atrás.

Minha rotina é a seguinte: Sou chefe da redação da REDE GNI (http://www.redegni.com) e trabalho das 08h às 20h de Segunda a Sábado e quando estou de plantão o expediente começa as 04h e vai até a hora que Deus que me salve’… Em geral depois das 00h da manhã já do dia seguinte. Essa é a minha rotina. Aos domingos eu não trabalho mais, eu me dei a esse direito para gozar de momentos familiares (decisão de chefia)…

Eu sou chefe de redação, sou correspondente internacional no Brasil do Jornal THE NEW YORK NET e mantenho o Blog Pare, Pense, Reflita. Rotina pesada a minha?

NÃO!

Rotina pesada é a da minha esposa, que se divide em Mulher, Esposa, Mãe, Jornalista e Filha. E também Dona de Casa. Vamos à rotina dela: Não tem hora para acordar (pois a Bia acorda 2 ou 3 vezes por noite), não tem hora certa para tomar café (é quando dá), não tem hora certa para almoçar (é quando dá), à tarde não pode tirar a ‘soneca’ depois do almoço pois quando uma criança dorme a outra acorda. Não tem hora para jantar (é quando dá) e a ‘melhor’ parte: Não tem hora para deitar e dormir (é quando dá). Diferente da minha rotina, ela não tem ‘folga’ aos domingos e à toda a rotina acima descrita, junte aos domingos a tarefa de ter que ir a Igreja, ou seja, arrumar a criançada, dar banho, pentear as meninas e ajeitar suas roupinhas… Por mas que eu tente ajudá-la, as vezes não dá, pois o que eu mais escuto é a frase do Bart Simpson: ‘Você não é a mamãe‘… Ela é Mãe de quatro (português), (4), four (inglês), quatre (francês), أربعة (árabe), ארבעה (hebraico), 四 (chinês), vier (alemão), cuatro (espanhol) meninas com idades de 1, 4, 11 e 19 anos… Ela tem que fazer almoço e o jantar para a família toda e ainda tem que ‘catar o feijão’… Ela ainda se preocupa com o Brenno (19) e Leonardo (11), filhos do meu primeiro casamento (A Carol se foi em 2013, morar com o Pai). Fora o apoio que ela presta à algumas famílias necessitadas e que passam por aflições. Ainda arruma tempo para atender o pai, a mãe, a avó, os irmãos e os tios… Falei em várias línguas para não ficar à dúvida quanto a sua rotina e de quão extenuante é o seu trabalho e a sobrecarga de tarefas diárias. Fora isso tudo, se não fosse ‘pouco’, ela ainda leva a criançada para a escola, arruma a casa, lava os banheiros, as roupas, faz compras no mercado (eu também vou mas em geral é ela o que sabe o que precisa comprar) e tem que tirar o pó da sala… Que tempo ela arruma para: ver um filme, um seriado, pintar as unhas, ir no salão ou fazer um lanche com ‘azmigas’? E no final do dia, o ‘garanhão aqui’ ainda quer que ela tenha ânimo para fazer a ‘festa no apê’… Mas como?

Então eu te pergunto: A minha rotina é sacrificante?

Pesada, cansativa e dolorosa é a rotina da minha esposa. Sufocante, preocupante e estressante é a rotina da mulherada que é dona de casa. Os homens deveriam ter vergonha na cara (eu me junto à essa classe) de em algum momento reclamar o por que e o motivo que elas não fizeram o seu pudim ou não lavaram às suas cuecas. ‘Vai ter com a formiga, ó preguiçoso’… Elas são as ‘Super Girl’ do mundo real (seriado moderno de A Mulher Maravilha do Netflix). As vezes ela é obrigada a assistir essa ‘maravilha’ para fazer companhia as filhas.

Eu te falei que ela é a chefe geral da REDE GNI em Campo Grande? Está de licença maternidade estendida…

A rotina de casa de uma mulher é tão pesada, séria e cansativa que em setembro/2011 entrou em vigor no Brasil a Lei 12.470/2011 que possibilitou à dona de casa, contribuir com a Previdência Social e garantir os principais benefícios previdenciários como aposentadoria por idade, por invalidez, auxílio-doença, pensão por morte, salário maternidade e auxílio-reclusão, exceto a aposentadoria por tempo de contribuição.

A aposentadoria por idade (um dos benefícios a que terá direito) se dá aos 60 anos (se mulher) e aos 65 anos (se homem).

Por se dedicar exclusivamente ao trabalho doméstico no âmbito da própria residência e por não dispor de renda própria, a dona de casa é enquadrada na legislação previdenciária como segurado facultativo. Nada obsta que o dono de casa também se beneficie da nova alíquota para ter direito aos benefícios, já que a figura masculina que trabalha no ambiente familiar já é algo comum hodiernamente.

Então me responda sem mentiras, enganos e falsidades: Qual é a rotina mais pesada – a do homem ou a da mulher, que ainda tem que se dividir e atender a todos e ainda se virar nos 30?

Léo Vilhena
Fiz-me fraco para com os fracos, com o fim de ganhar os fracos. Fiz-me tudo para com todos, com o fim de, por todos os modos, salvar alguns.’ 1 Coríntios 9:22.

Anúncios

Os comentários estão encerrados.

Site hospedado por WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: