024 | Não é homofobia, é uma questão de inteligência

O discurso de vitimização que o cantor Phabullo Rodrigues da Silva, uma drag queen ridícula que atende pelo nome artístico de Pablo Vittar, é uma das maiores fábulas mentirosas já criadas no Brasil.

Esse discurso enganoso e mentiroso de que não gostamos de sua música e voz é por que ELE é gay, é uma das maiores sandices escrotas que algum cantor já ousou vomitar no meio artístico. Não gostamos dele pois ele é muito ruim e consegue desafinar até falando (nunca tinha visto tal aberração).

Esse discurso batido e falido de vitimização, cai por terra, quando lembramos que:

Cazuza, Cássia Eller, Ney Matogrosso, Milton Nascimento, Adriana Calcanhoto, Sandra de Sá, Ana Carolina, Marina Lima, só para citar alguns gênios da MPB, Freddie Mercury, Elton John e George Michael, estrelas internacionais, venceram e tiveram reconhecimento da mídia, da crítica e do grande público, por que eram e são maravilhosos, com um timbre espetacular, com extensão vocal invejável, afinação cristalina e um talento sem limites e que não é o seu caso, senhor Pablo Vittar. E qual é a única semelhança entre eles e o senhor Phabullo? Todos são ou eram gays (me refiro aos que eram aos que já morreram).

Não gostar de você e de sua pseuda-música não é homofobia, é uma questão de inteligência e bom gosto musical, meus ouvidos nãos estão acostumados a ficar ouvindo merda sonora. Tenho sensibilidade musical e não aguento ouvir alguém que falando, desafina. Queria usar uma expressão não muito cristã, mas minha religião não permite…

Eu venho de uma época que os meus ouvidos se acostumaram a ouvir a ‘tchurma’ de Minas e seus repertórios recheados de clássicos: Flávio Venturini, Lô Borges, Beto Guedes, Fernando Brant, Milton Nascimento… Não aguento ouvir berros e gritarias histéricas de um ser dotado de mediocridade. Eu sei reconhecer talentos, e você não consegue ter isso nem comendo chocolate da Garoto.

talento
Nem comendo chocolate da Garoto esse pseudo-cantor tem Talento

E para incrementar esse discurso falido de vitimização, esse pseudo-cantor prometeu que se o Jair Bolsonaro vencer as eleições presidenciais no Brasil em 2018, ele declara que ‘toda a sua carreira estaria encerrada no Brasil’…

MAS MEODEOS DO CÉU: que carreira? Nem fez sucesso e já quer sentar na janela? De qual carreira ele está se referindo? Nunca irei insinuar que ele deveria estar se referindo a ‘carreira de pó branco’ pois não sou louco de insinuar que ele é viciado em cocaína. Tenho medo de processos e não tenho dinheiro para bancar advogados… Nunca insinuaria isso pois seria maldade e seria irresponsável da minha parte, pois eu não tenho provas…

Mas se ele realmente tem palavra e não é mais um mentiroso do show Business, eu vou cobrar dele a sua promessa, e não custa lembrar, promessa que eu não pedi e nem fiz questão, mas agora faço questão dele cumprir.

Eu nunca fiz tanta questão (redundância proposital) de votar no Jair Bolsonaro e nunca fiz tanta questão (olha a redundância de novo aí) de ver ele ser o próximo presidente do Brasil.

#vayacomdiospablovittar e leve mais uns 100 ‘artistas’ com você, que são iguais a você.

Sabe por que eu posso dar a minha opinião acerca deste assunto, pois o Pablo Vittar não é outra coisa a não ser um ‘assunto’ (pois definitivamente ele não é nem cantor ou cantora, como o Phabullo gosta de se definir), pois eu posso opiniar sobre qualquer assunto no Brasil, graças a Constituição Federal, e por que eu estou dando (sem conotação sexual) a minha opinião:

  • Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, liberdade, igualdade, segurança e a propriedade, nos termos seguintes:
    • IV – é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato;
    • VIII – ninguém será privado de direitos por motivo de crença religiosa ou de convicção filosófica ou política, salvo se as invocar para eximir-se de obrigação legal a todos imposta e recusar-se a cumprir prestação alternativa, fixada em lei;
    • IX – é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença
  • Art. 220 A manifestação do pensamento, a criação, a expressão e a informação, sob qualquer forma, processo ou veículo não sofrerão qualquer restrição, observado o disposto nesta Constituição.
    • § 2º – É vedada toda e qualquer censura de natureza política, ideológica e artística

Léo Vilhena
Fiz-me fraco para com os fracos, com o fim de ganhar os fracos. Fiz-me tudo para com todos, com o fim de, por todos os modos, salvar alguns.’ 1 Coríntios 9:22.

 

Anúncios

Um comentário

  1. […] Isso foi em 1992 e me marcou profundamente – o velho Tim morreu em 1998. E sabe de uma coisa? Foi ‘bom’ aquele ricaço gente boa, humilde e de uma generosidade do tamanho do Cristo Redentor no Rio, foi bom ele ter ido ‘embora’ antes de ver essas aberrações que somos obrigados a engolirmos e vermos eles serem chamados de cantores. Acho que o Tim, dono de uma potente voz  e dono de um ouvido afinadíssimo, provavelmente surtaria e passaria mal se fosse obrigado a ouvir Pablo Vittar. Leia o meu editorial sobre essa pessoa – Clique Aqui […]

    Curtir

Os comentários estão fechados.